Tags

Então:
a gente queria plantar o cesto de cheiros,
na entrada da casa.

Gostoso, chegar com aqueles cheiros todos,
de sálvia, lavanda, alecrim e manjericão…

Mas antes… era preciso tirar do caminho alguns empecilhos.

Empecílio principal: o Leiterinho
Única árvore nativa do nosso pasto original.
Poético, mas irrisório.

Porque além de fazer sombra
pro canteiro de cheiros,
estava atrapalhando o crescimento do Ipê Rosa
(fazia 15 anos !!!!!!!!!!! – a falta que faz o passar dos anos…)

A situação então era a seguinte:
(notem que o canteiro era pra ser debaixo disso,
onde parecia a grande e infinita noite dos tempos,
às 9 horas da manhã do verão de Campinas):

Sombras Tenebrosas do Leiterinho (pré-heróis)

Aí nossos heróis entraram em ação
e fizeram assim:
Heróis combatendo as sombras

E com isso… ficamos assim:
(Isso é pra mostrar o Ipê Livre.
Imagine o sol que sobrou embaixo,
pro canteiro propriamente dito…)

O Ipê, livre das sombras

Só aí é que pudemos fazer
o Canteiro dos Cheiros.

Amanhã posto fotos – com sol.
Porque agora a noite caiu sobre as ervinhas.

Buenas.